Segunda-feira, 31 de Maio de 2010
Babel
Todos os dicionários juntos não contêm nem metade dos termos de que precisaríamos para nos entendermos uns aos outros.In O Homem Duplicado, Editorial Caminho, 2.ª ed., p. 127


publicado por Fundação Saramago às 00:01
link do post | adicionar aos favoritos
partilhar

Sexta-feira, 28 de Maio de 2010
O silêncio
Provavelmente está feito de suspiros o silêncio que precede o silêncio do mundo.In Cadernos de Lanzarote, Diário IV, Editorial Caminho, 3.ª ed., p. 204


publicado por Fundação Saramago às 00:01
link do post | adicionar aos favoritos
partilhar

Quinta-feira, 27 de Maio de 2010
Aprendamos o rito
Põe na mesa a toalha adamascada,Traz as rosas mais frescas do jardim,Deita o vinho no copo, corta o pão,Com a faca de prata e de marfim.Alguém se veio sentar à tua mesa,Alguém a quem não vês, mas que pressentes.Cruza as mãos no regaço, não perguntes:Nas perguntas que fazes é que mentes.Prova depois o vinho, come o pão,Rasga a palma da mão no caule agudo,Leva as rosas à fronte, cobre os olhos,Cumpriste o ritual e sabes tudo.In Os Poemas Possíveis, Editorial Caminho, 3.ª ed., p. 81

Ouvir Aprendamos o Ritoin Carlos do Carmo ao Vivo no CCB



publicado por Fundação Saramago às 00:01
link do post | adicionar aos favoritos
partilhar

Quarta-feira, 26 de Maio de 2010
Esta crise
Esta crise - iniciada em 2007 - está a fazer com que se desmoronem muitos princípios liberais ou neo-liberais: parece que afinal o mercado não se regula sozinho, que pode colapsar-se, e então, oh, há que chamar o estado... Está claro: privatizam-se os lucros, as perdas assumimo-las todos. Parece que esta crise acabará com um regresso ao estado perante um liberalismo que se vendia como a salvação, o fim da história... Embora também possa acontecer que se mude alguma coisa para que tudo continue na mesma. O capitalismo tem a pele dura.José Saramago ao jornal Expresso, Lisboa, 11 de Outubro de 2008


publicado por Fundação Saramago às 00:01
link do post | adicionar aos favoritos
partilhar

Terça-feira, 25 de Maio de 2010
O estado chulo
Sempre se falou da Europa como de um mercado com não sei quantos milhões de consumidores, ninguém falou na Europa dos cidadãos que precisam de medicamentos, pensões de velhice dignas, assistência hospitalar, sistemas educativos modernos. É duvidoso que, em tantos anos de construção europeia, nada na Comunidade aponte nesse sentido. Aquilo de que se fala é em reduzir os benefícios sociais. Se me é permitido, passámos do ideal do estado providência para o estado chulo."Uma certa ideia de Europa"Entrevista de Clara Ferreira Alves para Expresso, 7 de agosto de 1993


publicado por Fundação Saramago às 00:23
link do post | adicionar aos favoritos
partilhar

Pesquisa
 
Entradas recentes

Vão todos, os vivos e os...

Não fosse falarem as mulh...

Eu sou tão pessimista que...

Chegam dias de férias, um...

Não são os políticos os q...

[Não escrevo] por amor, m...

Homem novo

Padre António Vieira

Com elas o caos não se te...

Problemas de homens

Categorias

todas as tags

Arquivo

Abril 2014

Março 2014

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Subscrever RSS