Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009
Ángel González
Há um ano, precisamente no dia 12 de Janeiro, num hospital de Madrid, morreu Ángel González. Hospitalizado eu próprio em Lanzarote por causa de uma doença similar à que o levou, atendi a chamada telefónica de um jornal que queria publicar umas palavras sobre a infausta notícia. Em termos que o meu interlocutor mal deve ter ouvido, tão intensa era a minha emoção, disse que havia perdido um amigo que era, ao mesmo tempo, um dos maiores poetas de Espanha. Em sua lembrança deixo hoje aqui um dos seus poemas, que traduzo do espanhol.ASSIM PARECEAcusado pelos críticos literarios de realista,os meus parentes, em troca, atribuem-meo defeito contrário;afirmam que não tenhosentido algum da realidade.Sou para eles, sem dúvida, um funesto espectáculo:analistas de textos, parentes da província,pelos vistos, a todos defraudeique lhe vamos fazer!Citarei alguns casos:Certas tias devotas não se podem conter,e choram ao olhar-me.Outras muito mais tímidas fazem-me arroz doce,como quando eu era pequeno,e sorriem contritas, e dizem-me:que alto,se o teu pai te visse…,e ficam suspensas, sem saber que mais dizer.No entanto, não ignoroque os seus gestos ambíguosdissimulamuma sincera compaixão irremediávelque brillha humidamente nos seus olharese nos seus piedosos dentes postiços de coelho.E não são só elas.De noitea minha velha tia Clotilde regressa da tumbapara agitar diante da minha cara os dedos como sarmentose repetir em tom admonitório: De beleza não se come! Que julgas que é a vida?Por sua parte,a minha falecida mãe, com voz delgada e triste,augura para a minha existência um lamentável final:manicómios, asilos, calvície, blenorragia.Eu não sei que dizer-lhes, e elasregressam ao seu silêncio.O mesmo, igual que então.Como quando era pequeno.Pareceque a morte não chegou a passar por nós.


publicado por Fundação Saramago às 00:03
link do post | adicionar aos favoritos
partilhar

Pesquisa
 
Entradas recentes

Vão todos, os vivos e os...

Não fosse falarem as mulh...

Eu sou tão pessimista que...

Chegam dias de férias, um...

Não são os políticos os q...

[Não escrevo] por amor, m...

Homem novo

Padre António Vieira

Com elas o caos não se te...

Problemas de homens

Categorias

todas as tags

Arquivo

Abril 2014

Março 2014

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Subscrever RSS